Posts

O crescimento do e-commerce brasileiro têm sido constante, com números cada vez mais expressivos ano a ano. Em 2019, as vendas virtuais realizadas de janeiro a dezembro no Brasil somaram faturamento de R$ 75,1 bilhões, alta nominal de 22,7% em relação ao ano de 2018. As informações são do relatório NeoTrust, que analisa o varejo digital trimestralmente com base em dados coletados pelo Compre & Confie, empresa de inteligência de mercado focada em comércio eletrônico.

De acordo com o estudo, o poder aquisitivo do consumidor não variou significativamente no período: o valor médio das compras realizadas foi de R$ 420,40 (incremento de apenas 0,2% em relação ao ano anterior). Portanto, a alta significativa está relacionada principalmente ao volume de pedidos realizados: em 2019, foram feitas 178,5 milhões de compras, valor que representa aumento de 22,5% em relação a 2018.

“O ano de 2019 foi de forte recuperação para o varejo digital. Registramos diversos fatores que impulsionaram o crescimento, com destaque para consolidação do modelo de marketplace no país, maior integração multicanal, além do aumento do número de consumidores que realizaram pelo menos uma compra virtual”, afirma André Dias, diretor executivo do Compre & Confie.

Ainda segundo o estudo, o público feminino foi responsável por 52,1% dos pedidos de compra feitos no país durante o ano de 2019. Apesar de comprar mais, as mulheres gastaram menos: o gasto médio foi de R$ 371,70 por compra, enquanto os homens gastaram R$ 473,60 em média.

Segmentando todos os consumidores por faixa etária, é possível perceber que os que têm entre 36 e 50 anos realizaram o maior volume de compras (33,6% do total dos pedidos feitos durante o ano). Logo atrás, estão os que têm entre 26 e 35 anos, com 31,8% das compras. Por fim, estão aqueles de até 25 anos (19,5%) e aqueles com mais de 51 anos (15,1%).

Na análise por região, é possível notar que o Sudeste é responsável pela maior parte dos pedidos realizados. Durante o ano de 2019, 66,2% das compras feitas em território nacional vieram desse local. Entretanto, embora o Nordeste ainda represente 11,9% das vendas no comércio eletrônico brasileiro, é a região que apresentou um crescimento maior nas vendas de 2019 em relação a 2018.

Em seguida, estão as regiões Sul (14,1%) e Nordeste (11,9%). Por fim, Centro-Oeste e Norte completam o ranking, com 5,8% e 2% do total de compras realizado, respectivamente.

Outro crescimento importante está no número de consumidores únicos (aqueles que realizaram ao menos uma compra virtual no ano). Em 2019, este público aumentou 40,6% em relação a 2018, chegando a 31,4 milhões de pessoas.

O Compre & Confie estima que as compras virtuais gerem faturamento de R$ 90,7 bilhões em 2020, crescimento de 21% em relação a 2019. O aumento deve estar relacionado tanto ao número de pedidos – que deve ser de 210,8 milhões, aumento de 18% – quanto ao maior gasto dos consumidores. A companhia estima que o tíquete médio deve aumentar 2%, chegando aos R$ 430.

“Alguns fatores que explicam o otimismo do brasileiro com o comércio virtual em 2020 são programas de fidelidade mais atraentes, melhor experiência através de dispositivos móveis e, principalmente, preços extremamente atrativos devido a recuperação econômica e inflação sobre controle”, conclui Dias.

Nós da Felipetto Marketing oferecemos todas as condições para empresas e pessoas físicas entrarem nesse jogo. Desenvolvemos sua loja, treinamos sua equipe, fazemos a gestão de tráfego para que sua loja gere vendas, damos consultoria e suporte técnico para que sua operação de e-commerce comece corretamente e cresça de maneira sustentável.

Comércio Eletrônico não é o futuro, é o presente. Se sua empresa ainda não está vendendo online, será engolida pela concorrência. Não é uma questão de “SE” mas de “QUANDO” isso irá acontecer. Se você ainda está preso à CLT, infeliz e sem perspectiva de crescimento, o comércio eletrônico pode ser a porta de entrada para um mundo de realizações pessoais e evolução financeira, mesmo que você não tenha grande capital para investir inicialmente.

Pare de ser um expectador desta revolução comercial que vivemos hoje. Seja o protagonista de sua própria história de mudança e alce vôos mais altos!