Criar estratégias para tornar a experiência do cliente a melhor possível é algo que muitos negócios realizam diariamente. O core web vitals, por exemplo, são métricas estabelecidas pelo Google e que podem ajudar a melhorar a experiência dos usuários nas páginas e lojas online.

O que é Core Web Vitals?

O Core Web Vitals é um conjunto de métricas que ajudam a proporcionar uma boa experiência aos usuários. Para isso, o Google utiliza nos seus algoritmos algumas regras para avaliar a usabilidade das páginas da web.

O principal objetivo do Core Web Vitals é aumentar a velocidade de carregamento e melhorar a experiência na página, e assim oferecer uma navegabilidade melhor ao usuário.

Estas novas métricas podem ser combinadas com outros indicadores de experiência usados pelo Google para potencializar a qualidade da experiência dos usuários e assim fortalecer o Marketing do seu negócio.

Como implementar o Core Web Vitals

Algumas ferramentas específicas de SEO (Search Engine Optimization) já estão se adaptando às novas mudanças e as métricas do Core Web Vitals.

Com alguns recursos específicos do Google, os profissionais responsáveis pelo Marketing podem acompanhar o desempenho do site com as novas métricas que, de modo geral, visam a melhor experiência do cliente. As principais métricas do Core Web Vitals consistem em:

1. LCP (Largest Contentful Paint) – Carregamento

Representa o carregamento das páginas, considerado o principal modo de mensurar a velocidade de um site, já que calcula o tempo que a página demora para carregar até a renderização do maior elemento do site.

O Google considera um bom tempo de LCP entre 2,5 segundos ou menos. Até 4 segundos é considerado um tempo razoável.

Sites que demoram para carregar acabam sendo penalizados, visto a alta taxa de desistência dos usuários e essa “lentidão” pode ocorrer por conta do baixo tempo de resposta do servidor, bloqueio de renderização, entre outros fatores.

Assim, é importante estar atento a esse aspecto para realizar os ajustes necessários na página, otimizando o tempo. Alguns exemplos de melhorias que podem ser feitas são:

  • Ativação do cache;
  • Antecipação de conexão de terceiros;
  • Usar CDN (Content Delivery Network);
  • Otimizar o servidor.

2. FID (First Input Delay) – Interatividade

Essa métrica mede a velocidade de resposta de uma primeira interação que o usuário tem com a página.

O tempo de carregamento do conteúdo e respostas são muito importantes, por isso, a recomendação é que este tempo de resposta não ultrapasse os 100 milissegundos, assim a pessoa terá uma resposta rápida e não abandonará a página.

Para otimizar o FID do seu site, é necessário reduzir o tempo de execução do JavaScript, melhorar os códigos da página e utilizar a web worker.

Aliar esta métrica com Inbound Marketing é uma estratégia que pode render excelentes resultados.

Isso ocorre porque o Inbound, conhecido popularmente como marketing de atração, visa atrair, converter, vender e encantar os leads (potenciais clientes) e faz isso por meio de algumas estratégias específicas, como a produção de conteúdos de valor para um bom rankeamento na primeira página dos buscadores.

Sendo assim, criar conteúdos de qualidade para o site e utilizar a estratégia de otimização do FID é o modo das pessoas voluntariamente acessarem a página e tornar a experiência mais rica, convertendo o usuário.

Com um bom tempo de resposta de interação e carregamento, o site pode ter um bom tráfego, algo que rende ganhos positivos aos negócios.

3. CLS (Cumulative Layout Shift) – Estabilidade visual

É a métrica que mede a gravidade e frequência das mudanças inesperadas que podem ocorrer no layout da página.

Consiste, basicamente, nas mudanças inesperadas que acontecem na página, por exemplo, com elementos e botões que mudam de posição ou que são programados para “mexerem”, fazendo com que as pessoas cliquem em locais que não desejam ou prejudicando a compreensão ou carregamento da página.

Esta ação pode deixar as pessoas irritadas. Anúncios que redimensionam sozinhos, imagens sem tamanho definido são exemplos de situações que podem comprometer uma boa experiência do usuário.

Para melhorar este problema, os profissionais podem investir em reservas de espaços para os anúncios e conteúdos dinâmicos, uso do Twitter Ads com medidas determinadas, inclusão de atributos para imagens e vídeos, usar uma API para carregamento de fontes e outros recursos que ajudam a tornar a experiência do usuário mais positiva.

Como melhorar a pontuação do Core Web Vitals?

Ao utilizar as métricas do Core Web Vitals para avaliar o site, os empreendedores podem ver se o site do seu negócio está ou não tendo um bom desempenho.

As recomendações das ferramentas para melhorar a experiência dos usuários são muito técnicas, algo que pode demandar ajuda de profissionais que entendem de programação e SEO para implementar as melhorias no site.

Alguns exemplos de ferramentas e orientações que podem ajudar a melhorar as métricas do Core Web Vitals e gerar bons resultados no Google são:

  • Implemente melhorias no tempo de resposta dos servidores;
  • Reduza o tempo de carregamento de recursos lentos na página;
  • Faça a divisão de JavaScript mais pesados;
  • Torne a navegação mais intuitiva.

Benefícios do Core Web Vitals

Estas métricas agregam muitos ganhos para o SEO e, consequentemente, o posicionamento da página nos buscadores, melhorando as páginas para os mecanismos de buscas para os usuários.

Deste modo, os empreendedores podem investir na criação de materiais diversificados, algo que ajuda no marketing de conteúdo, além de melhorar o posicionamento do site no Google.

Portanto, os investimentos em Core Web Vitals é o modo de tornar a experiência do usuário interessante e gerar bons ganhos nos negócios, visto que mais oportunidades poderão ocorrer.

0 respostas

Deixe uma resposta

Ajude a enriquecer este conteúdo
Deixe seu comentário:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *